Sexta-feira, 27 de Setembro de 2013

A Alquimia foi elaborada nos primórdios da humanidade, por um sacerdote egípcio chamado Hermes Trismegisto, três vezes mestre. A palavra árabe veio do grego Khymeía, que significa mistura perfeita, sumo. Jung explicou: “É uma ciência segunda a qual tudo no mundo obedece as mesmas leis e tudo na natureza tem uma energia. Esta arte régia ensina que a vida adulterada na Terra perdeu sua pureza depois da queda de Adão e precisa de purificação, redenção. Trata-se, portanto, de participar da obra do Demiurgo, do Criador, ajudando o planeta a alcançar a integração em Deus. Professa, a Alquimia, a crença de que para realizar esta grande obra de regeneração da matéria, o homem deve procurar a perfeição de sua alma. A procura da pedra filosofal representa a busca da energia contida na matéria e a capacidade de transformá-la no que se quiser, no ouro, de preferência. Mas como concluía Hermes: o meu ouro não é o ouro deste mundo”.

Coisa muito séria é que o símbolo desta doutrina é o mercúrio, um metal masculino-feminino. Feminino por ser branco e líquido e masculino por ser seco e difícil de ser contido. Como diz o livro Mitologia Grega (volume II, p.200): “Esse hermafroditismo provém exatamente do fato de simbolizar a união dos contrários. Desse complexio oppositorum sairá a pedra construída com energia. Já ensinavam que todos os metais eram frutos dessa união, com graus diferentes de maturação e que se precisava encontrar a matéria-prima, a matéria original. Para descobri-la o ser humano terá de submeter a matéria a três ações: pressões, desintegração e fusão. Esse opus Magnum, a grande operação, a transmutação, predizia o drama místico que o próprio Deus passaria: paixão, morte e ressurreição”.



publicado por joseadal às 12:35
mais sobre mim
Setembro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
12
14

15
16
18
19
20
21

22
23

30


pesquisar neste blog
 
tags

todas as tags

blogs SAPO