Domingo, 29 de Setembro de 2013

Longe de mim tornar-me, nesta altura do campeonato, um consultor sentimental. Mas tenho cinco filhos e em igual número genros e noras e sete netos (um já está vindo por aí). Então, às vezes sou chamado a ouvir e, se quiserem, aconselhar. Assim, foi que um genro me escreveu: "Nestes dias em que ela está nervosa tudo fica muito complicado. Este é um problema que tem que ser visto, pois afeta a todos nós". Minha resposta pra ele pode servir pra você também.

O que posso te dizer? Ter paciência é o conselho óbvio. Mas esta qualidade é uma entre várias que vem num pacote. Tenho falado no meu blog que estou lendo A Cabana, em que Deus, diz (p.91): "Entenda o seguinte, para que ame alguém é preciso que este relacionamento já exista dentro de mim. Sem isso seria incapaz de amar, ou pior, sofreria com a limitação de sua natureza. E sem amor a convivência seria um desastre. Eu certamente não sou desse tipo".
- Ora, tudo isso estamos carecas (pelo menos você) de saber! 
Tudo não, tem aquele pedaço ali: "é preciso que este relacionamento já exista dentro de mim". O que quer dizer isso? Ele mesmo responde: "O amor deve ser um relacionamento antigo. Você já existia dentro de mim muito antes de nascer". 
- Isso é muito intelectual, não resolve meu problema.
Para fazer frente às forças emocionais só um convencimento racional bem profundo. Mas vamos ao prático. Lili é de opinião que num relacionamento todos os dois tem culpas e acertos. Voltando ao intelectual: a ação de alguém é sempre uma reação a algo anterior, ad infinitum. Então, voltamos ao que foi dito antes: é preciso ter paciência. Ou citando as Escrituras: "Então Pedro aproximou-se de Jesus e perguntou: 'Senhor, quantas vezes deverei perdoar a meu irmão quando ele pecar contra mim? Até sete vezes?' Jesus respondeu: 'Eu digo a você: Não até sete, mas até setenta vezes sete'". Aceitando que Jesus não foi só um rabi, mas foi Deus Conosco, esse é um princípio universal e que sempre dará certo.
- É, faz sentido. Mas será que eu vou conseguir?
Espere um pouco, ficou um trechinho sem uma boa atenção: "Sem amor, sofreria com a limitação de sua natureza". Ela tem limitações e você também, com amor dá pra levar, sem ele é um sofrimento sem fim. Só me resta rezar por vocês.  

 



publicado por joseadal às 16:48
mais sobre mim
Setembro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
12
14

15
16
18
19
20
21

22
23

30


pesquisar neste blog
 
tags

todas as tags

blogs SAPO