Sábado, 12 de Outubro de 2013

Em minha casa tenho três pias de mármore e uma de louça, mas já morei, na Bahia, em uma meia água com uma minúscula pia e me vendo num espelho pequeno pendurado de um prego. E foi uma época muito feliz de minha vida com a esposa e filha. Aquela penúria teria sido perfeita não fosse uma crise espiritual que eu atravessava. Digo isso porque fiquei refletindo nessa passagem do livro que eu estou lendo (p. 191):

“ – Hercule afirma que com a ajuda de mais alguns amigos poderia abater nos próximos meses muitos pinheiros e fazer tábuas que renderiam algumas centenas de dólares.

- Para que nos metermos no negócio de madeira?

- Para quê? – tive vontade de dizer: para se arranjar algum dinheiro para tornar a igreja mais decente, pois está em condições miseráveis, e para se ter pão na despensa e carne na mesa! Mas a serenidqade abnegada que via nos olhos do padre Ned me amainou o entusiasmo.

- Obrigado pela sugestão, padre.

E nada mais disse. A maneira gentil com que aquele ponto final foi colocado no assunto me comunicou uma verdade espiritual mais profunda do que conseguiria aprender com São Francisco de Assis. Percebi que o pároco possuía uma confiança serena e autêntica em bens que ladrões não podem levar nem a ferrugem corromper. Era um homem que se recusava corajosamente a sobrecarregar sua alma com tesouros perecíveis”.

Mais adiante, nessa história, vi que as coisas foram se arrumando devagar, não no tempo que o jovem padre queria, mais no tempo sem pressa  e sem a competição mundana que é o de Deus.



publicado por joseadal às 13:26
mais sobre mim
Outubro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11

13
14
17
19

20
21
22
24
26

28
30
31


pesquisar neste blog
 
tags

todas as tags

blogs SAPO