Domingo, 17 de Novembro de 2013

Você que é desta era pós-moderna é uma alma que não suporta o sofrimento. Se pudesse trabalharia menos e em ambiente bem refrigerado, torcendo para chegar logo sexta-feira para sábado ir a uma balada e domingo a um churrasco.

- Já consegui chegar neste ponto, Zé.

Santa Tereza D’Ávila diz em Castelo Interior:

 “Nem todas as almas serão, levadas por este caminho, ainda que duvide que vivessem livres de trabalhos cá da terra, de uma maneira ou doutra”.

Também me organizei de modo a ter uma vida tranquila, mas o sofrer veio me encontrar. A santa diz que o sofrimento não avisa quando vem (p.57):

“Se o entendessem antes, seria dificultosíssimo o poder sofrer, nem se resolvesse a passar por isso, por maiores bens que se lhe representassem, salvo se tivesse chegado à sétima morada; pois aí já nada se teme que seja de molde a impedir a alma de se arrojar deveras a sofrer tudo por Deus. E a causa é porque está quase sempre tão junto a Sua Majestade, que daí lhe vem a fortaleza”.

O sofrer conta com um aliado poderoso para nos derrubar: o nosso orgulho. Juntos são capazes de nos perder do amor de Deus (p.25):

“Por mais determinadas que estejam em não ofender o Senhor, semelhantes pessoas procederão com acerto, não se metendo em ocasiões de O ofender; porque, como estão perto das primeiras moradas, com facilidade poderão voltar a elas, porque a sua fortaleza não está fundada em terra firme, como os que estão já exercitados em padecer - estes conhecem as tempestades do mundo, e quão pouco têm a temer - e seria possível, com uma grande perseguição, voltarem de novo a eles. O demónio bem as sabe urdir para lhes fazer mal, e poderia suceder que, não pudessem resistir ao que a isto sobreviesse”.

Ainda assim, não invejo as baladas e os churrascos a que você vai.


tags:

publicado por joseadal às 15:43
mais sobre mim
Novembro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
15
16

18
19
20
22
23

25
27
28
29
30


pesquisar neste blog
 
tags

todas as tags

blogs SAPO