Quinta-feira, 30 de Junho de 2011

Entre as coisas inteligentes que disse Oscar Niemeyer, li este ensinamento: "O que conta não é a profissão que exercemos, mas a vida, os amigos e este mundo injusto que precisamos modificar".

E o filósofo Domenico Masi diz: "Um grupo criativo quer mudar o mundo. O núcleo de uma turma assim geralmente se aglutina em torno de uma idéia, da convicção de poder tornar possível o impossível, com a despreocupada leveza de uma diversão e a teimosa audácia duma criança.

A satisfação de compartilhar um mérito com os colegas, a satisfação de ver alegria nos olhos de quem nos lidera numa missão, o orgulho de ter feito o que até pouco tempo nos era imaginável, o deleite de ter realizado um sonho rompendo paradigmas, apontando novas metas e itinerários para nossos irmãos, tolerando as imperfeições dos colegas e, para nós mesmos, suportando os desencorajamentos".

 

Vê-se isto no informal Clube Adventure de Bike e Trekking. As caminhadas organizadas para homens, mulheres, idosos e jovens, em lugares maravilhosos que animam as almas, curam feridas do espírito, levantam a estima e melhoram a saúde. As pedaladas que reunem grupos com diferentes capacidades atléticas e, às vezes, misturando-os em uma fuzarca alegre e cheia de amizade. Os almoços, festas julinas, participação na conscientização da população para o Dia mundial sem Carro, ou o Reflorestamento do Planeta. Tanto serviço, trabalho duro e alegre, sem remuneração só doação. Tudo tão bonito! Isso existe em muitos ambientes. É trabalho sim, mas um que nos dá vida e tempo, não o contrário.

Mas me ocorreu de repente o chavão do pedinte interpretado por Moacir Franco: "E quanto é que levo nisso?" Você também acha que tudo tem de envolver grana? 



publicado por joseadal às 01:17
Me lembrei de quando minha filha número 1 estava fazendo seu trabalho de conclusão da Faculdade de Direito cujo tema era relativo à Ética. Ela ficou confusa pois decepcionou-se por ver a dificuldade em sermos um povo ético. Não acreditava que o seu trabalho iria contribuir para a mudança. Me limitei a dizer a ela que não adiantava ela achar que poderia mudar o mundo todo, mas que ela poderia mudar o mundo à sua volta. E, se cada um que convivesse com ela, fosse por ela modificado, este "um" poderia, também, mudar mais um à sua volta, e assim se sucederiam uma série de mudanças que acabariam por mudar muita gente. Então, é assim que acredito que podemos ajudar a mudar o mundo. Sendo agente de mudança daqueles que nos cercam.
vanice a 3 de Julho de 2011 às 14:49

mais sobre mim
Junho 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
28
29


pesquisar neste blog
 
tags

todas as tags

blogs SAPO