Sexta-feira, 17 de Fevereiro de 2012

Estou lendo Corpus Hermeticus, obra em grego, aparecida no primeiro século depois de Cristo e que contem os ensinamentos do sacerdote egípcio, Hermes Trimegisto, o três vezes sábio que deixou vários manuscritos em papiro que influenciaram por séculos homens e mulheres que tinham sede de sabedoria. Fiquei impressionado com a referência aos 7 céus dos quais já havia lido Paulo, o apóstolo, mencionar três: “Conheço um homem em Cristo que, há catorze anos, foi arrebatado até ao terceiro céu (se no corpo ou fora do corpo, não sei, Deus o sabe)" 2Coríntios 12:2. Nas Visões de Hermes está escrito:

“Diz a voz de Osíris – Ergue os olhos e vê!

Então Hermes vê um espetáculo maravilhoso no espaço infinito, no céu estrelado: sete esferas luminosas. De um só olhar contempla os sete céus sobre sua cabeça como sete globos transparentes e concêntricos. Cada uma dessas esferas era governada por um anjo com forma e cor diferentes e Hermes se deslumbra com seus movimentos majestosos”.

Para o quê existem estes sete céus? Osíris explica:

“- Realiza-se através delas a queda e a ascensão das almas.

Hermes quer saber e diz: - Vejo as sete regiões que compõe o mundo invisível. Mas, ó mestre, como se realiza a viagem das almas através dos céus?

- As almas vivem felizes e sem cuidados na mais alta esfera celeste, mas caindo de esfera em esfera revestem invólucros cada vez mais densos. Em cada encarnação adquirem um novo corpo conforme o meio em que habitam. A medida que entram em corpos mais espessos vão perdendo a recordação da sua origem celeste. Assim se realiza a queda das almas que cada vez mais cativas da matéria cercam-se de volúpia, dor, amor e morte nesta prisão terrestre.

– E ficam assim, decaídas?

- Muitas, com a vontade adquirida nas lutas, não se satisfazem com o sonho duma felicidade perdida e impregnam-se da lucidez de uma consciência esclarecida e ascendem ás esferas superiores. Tornam-se luminosas porque voltam a possuir a divindade em si mesmas que refletem em seus atos”. Quando vemos um Lindemberg descer às mais baixas ações humanas e causar tanto mal percebemos o perigo do caminho fácil, do despencar cada vez mais fundo. Que essas notícias nos façam pensar e fazer o que Osíris (uma personificação do mestre Jesus) disse a Hermes.

“Fortalece, pois, a tua alma, sossega o teu espírito atemorizado contemplando esses longínquos voos das almas que tornam a subir as sete esferas e lá cintilam como chuva prateada. Porque tu podes segui-las, basta querer para te elevares. Porque lá onde tudo acaba, tudo eternamente começa”.



publicado por joseadal às 11:35
mais sobre mim
Fevereiro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
16
18

19
20

26
27
28
29


pesquisar neste blog
 
tags

todas as tags

blogs SAPO