Quarta-feira, 23 de Janeiro de 2013

“Eis que os filhos são herança do SENHOR”. Isto ensina a Bíblia, Salmos 127:3.

Na Mitologia Grega acontece haver um pensamento diferente.

No início do mundo Urano e Géia formaram importantes princípios, um deles era Têmis, a Justiça. Sendo profetisa ela deu um aviso a Zeus, conta o professor Junito Brandão: “Não se una a Tétis, a Fecundidade, porque se isso acontecer o filho de vocês será mais poderoso do que o pai”. Zeus desistiu dela.

Crono, o Tempo, irmão de Têmis, casa-se com Réia, a Força da Terra, e geram vários filhos. “Pressentindo que seria destronado por um dos filhos engolia-os a medida que nasciam. Escapou tão somente Zeus. Grávida deste último, Réia, foge e tem o filho longe do pai”. Zeus quando maior vence o pai.

Esta situação é tão diferente da descrita no Salmo: “O fruto do ventre é um galardão. Como flechas na mão de um homem poderoso, assim são os filhos da mocidade. Bem-aventurado o homem que enche deles a sua aljava”.

Mas muitos casamentos dão razão a mitolgia que lida com as forças no nosso inconsciente: a chegada de um filho precipita o fim da relação. Esta semana falei com duas mulheres, em ocasiões diferentes, que relataram essa triste experiência. Uma teve a filha natimorta e o pai não conseguiu ajuda-la na forte depressão que se seguiu, deixou-a. A outra teve um filho lindo, esperado e amado por avós e tios, mas o jovem pai parece que achou que não tinha mais espaço para ele e também se foi. Há tantos casos de pais que devoram psicologicamente os filhos!



publicado por joseadal às 00:43
mais sobre mim
Janeiro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
11

13
15
16
17
19

20
21
22
25

27
28
29
30


pesquisar neste blog
 
tags

todas as tags

blogs SAPO