Domingo, 05 de Maio de 2013

No tempo das sinhás em seus casarões de fazenda, a leitura era uma das poucas distrações. Hoje com tantos entretenimentos sobra para leitura quase tempo nenhum. Mas sem ler um bom livro como se há de aprender? Crescer, elevar-se e evoluir, sem os livros, é uma tarefa impossível.

Continuo lendo Mitologia Grega (ainda estou no primeiro volume) e aprendo algo em cada página. Falando de Perséfone, sobrinha de Zeus, o professor Junito de Souza Brandão nos leva por várias aplicações do mito. Neste aqui se apreende muito (p.304). Hades leva a moça para seu reino subterrâneo e um poema diz:

“Hades coloca dissimuladamente em minha mão

Um alimento doce, uma semente de romã

E me obriga a comê-la.

Perséfone deixou-se sucumbir pela sedução e passou a viver com seu amante nas trevas. Este relato destaca o poder de fixação de determinados alimentos e, por meio deles, do domínio do homem sobre a mulher e vice-versa”.

Lembra que logo no começo da Bíblia há um caso parecido? “E viu a mulher que aquela árvore era boa para se comer, e agradável aos olhos, e árvore desejável para dar entendimento; tomou do seu fruto, e comeu, e deu também a seu marido, e ele comeu com ela”.

O nosso folclore tem uma simpatia baseada no mesmo princípio, sirva ao bem amado(a) algo para comer ou beber.  “Pela manhã quando acordar retire a calcinha e ponha numa panela para ferver. Deixe esfriar, coloque numa garrafa desinfetada e tampe. Quando for servir ao bem amado(a) chá ou café, ou outra bebida, misture um pouco do chá de salamandra. Você irá notar a transformação do seu companheiro(a), que irá fazer todas as suas vontades, e ficará amarrado para sempre junto de você”.

E olha que Perséfone e Hades eram um casal tipo a bela e a fera. 



publicado por joseadal às 18:16
mais sobre mim
Maio 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
14
15
16

19
20
21
25

26
29
30


pesquisar neste blog
 
tags

todas as tags

blogs SAPO