Terça-feira, 08 de Março de 2011

Há muito tempo li um livro emprestado da biblioteca do Sesc Barra Mansa e, tempos depois, comprei outro da mesma coleção. São 5 romances sobre os humanos que viviam há 50 mil anos, no início do Paleolítico. Quem estuda os fósseis diz que os homo sapíens foram contemporâneos de uma raça de primatas que desapareceu, os neandertais, donos da faculdade de criar ferramentas e de se comunicar, mas sem os órgãos da fala. Gostei desta série de livros poque a personagem, Ayla, teve a felicidade de ficar órfã dos pais e sem ninguém de seu grupo caçador-coletor e ter sido criada por um clan neandertal. Quando, anos depois, ela passa a viver com seus semelhantes cheios de preconceitos contra aqueles, ela os defende, porque os conhece bem. É uma interessante parábola contra discriminação. Este é um trecho em que os humanos discutem o assunto.  

"La forma en que aquella gente hablaba de los del Clan, tratándolos de cabezas chatas y de animales, tampoco agradaba a Ayla. ¿No se daban cuenta de que también eran personas? Un poco diferentes, quizá, pero personas, de todos modos. Nezzie lo sabía. A pesar de lo que dijeran los demás, ella había reconocido a la madre de Rydag como a una mujer, y al niño recién nacido como aun bebé".

Nezzie, esposa do chefe, encontrou uma neandertal dando a luz, ajudou-a, não como cuidaria de uma cadela que estivesse dando cria, mas como uma mulher diferente. E quando ela morreu pós-parto adotou o nenem que tinha as feições misturadas, humano e neandertal e, percebendo que era inteligente, não era um animal, tratava-o mais como uma criança excepcional. Veja a discussão.

     "-Nezzie sabe -dijo con suavidad-. Él no es animal, no cabeza chata. Es hijo del Clan e hijo de Otros.

     -Ya sé que no es un animal, Ayla -dijo Nezzie-, pero, ¿qué es el Clan?

     -Gente, como madre de Rydag. Vosotros decir cabezas chatas, ellos dicen Clan -explicó Ayla.

     -¿Cómo que ellos dicen Clan? -intervino Tulie-. ¡Si no saben hablar!

     -No dicen muchas palabras. Pero hablan. Hablan con manos.

     -¿Cómo lo sabes? -preguntó Frebec-. ¿De dónde sacaste tanta sabiduría?

     -Yo vivía con Clan antes. Yo hablaba como Clan. No con palabras. Hasta que Jondalar vino. El Clan es mi Pueblo.

     Hubo un silencio estupefacto al quedar en claro el sentido de sus palabras.

     -¡O sea que has vivido con los cabezas chatas! ¡Has vivido con esos animales inmundos! -exclamó Frebec, disgustado, levantándose de un salto para retroceder-. No me extraña que no sepa hablar como corresponde. Si vivió con ellos es tan mala gente como esa gente. ¡imales, nada más, todos ellos! Incluida esa perversión mezclada que vive contigo, Nezzie"

Sempre existiram os cabeças-dura, os burros com vizeiras, que só sabem ver numa direção. Você assim também?



publicado por joseadal às 13:22
mais sobre mim
Março 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10

13
14
18
19

20
21
23
25
26

28
30


pesquisar neste blog
 
tags

todas as tags

blogs SAPO