Quarta-feira, 26 de Março de 2014

As emoções, poderosas forças do inconsciente, sentidas como se doessem no coração, levam homens e mulheres a atitudes que marcam pra vida toda. Assim, os jovens designam meninas que em saem com um e outro como cachorras, esquecendo que eles também estão passando pela mesma fase. No livro Mitologia Grega vol II, discutindo o mito de Psiqué, explica o drama em que a moça se meteu quando teve de separar num monte de grãos: feijão, milho, lentilha e grão-de-bico (p.236): “Diga-se logo que o mesmo simboliza ‘uma mistura uróbica masculina’, quer dizer a típica promiscuidade que Johann Jakob Bachofen (1815-1887), historiador e filósofo suíço,  designou como ‘estágio pantanoso da vida’.

Formigas vem ajudar Psiqué a separar ‘o joio do trigo’ em sua existência. Elas são, segundo Erich Neumann (1905-1960), psicólogo e filósofo alemão, ‘símbolo dos instintos’.

Psiqué opõe à promiscuidade de Afrodite um princípio ordenador instintivo. Enquanto a deusa do Amor se atém a empurrar os humanos para a promiscuidade para manter a fertilidade, seu principal propósito, Psiqué possui em si um princípio inconsciente que lhe permite selecionar, peneirar  e encontrar seu próprio caminho em meio a confusão masculina”.  

É também verdade que o orientar, função primeira dos pais – se é que eles já passaram pela fase pantanosa da promiscuidade – pode ajudar os jovens a passar por essa fase evolutiva da personalidade sem se ferirem muito.  



publicado por joseadal às 12:03
mais sobre mim
Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
13
14
15

16
17
20
22

23
24
25
27
29

31


pesquisar neste blog
 
tags

todas as tags

blogs SAPO