Quinta-feira, 13 de Setembro de 2012

Meu genro Luciano deixou comigo um livro de 400 páginas, uma biografia do filósofo D’Alembert. Autor de Ensaio sobre os Homens de Letras, foi um defensor da ética como predicado que dignifica uma pessoa. Ensinava que um caráter admirável era aquele que defendia sua liberdade e dos outros, mantinha-se dentro da verdade e levava uma vida de pobreza; não devia almejar com seu saber a conquista de uma vida de confortos e riquezas.

- Falar é fácil, quero ver na hora da tentação!

Pois este livro que tenho em mãos, As Paixões Intelectuais, conta um fato em sua vida que serve de exemplo de integridade.

Jean le Rond d'Alembert (1717-1783) foi abandonado por sua mãe nos degraus de uma igreja de Paris e recolhido por um casal dono de uma vidraçaria. Seu pai verdadeiro quando o encontrou pagou seus estudos, o que ele aproveitou ao máximo. Formou-se em Matemática e depois em Física, mas tanto ensinava quanto fazia experiências. Demonstrou o teorema fundamental da álgebra, que afirma ter toda equação algébrica pelo menos uma raiz real ou imaginária. Também foi eleito membro da Academia de Ciências da França. Mas era tal seu talento que os ingleses também o elegeram para a Real Socidade. E tornou-se um pensador, um filósofo do comportamento ético.

Em 1767 o químico Voltaire escreve a D’Alembert: ‘É a opinião que governa o mundo, e cabe aos filósofos governar a opinião”. Difundia-se a ideia de que um povo progressita precisava de um rei filósofo. Para não serem atropelados pelos sábios que sustentavam, os monarcas europeus passaram a dar valor ao estudo, tanto para si mesmos como para os filhos. O livro conta (p 19): “Por mais que o soberano governe seu povo como bem entende, é de bom-tom entrar na modernidade definida pelos filósofos”. Foi assim que a imperatriz Catarina II, da Rússia , ordenou a três diferentes acessores que escrevessem convidando D’Alembert a ir morar em São Petersburgo servindo de perceptor para o filho dela. O filósofo, diz o livro, “invoca seus problemas de saúde, o apego aos amigos a a indiferença a honrarias como pretexto para não deixar Paris”. O embaixador russo na França o visita “dizendo-se incumbido de oferecer 100.000 libras por 6 anos como preceptor do príncipe, imunidades diplomáticas e um magnífico palacete”. Então, o que fez o filósofo? Voltaire comenta a decisão do amigo: “Ao dar às costas á glória, ás honrarias e ao dinheiro, o Senhor manteve-se fiel aos seus princípios. Todos os homens corretos deveríam apontá-lo como alguém que lhes ensina a viver”.

Então, que as notícias nos jornais e televisão de homens que vendem sua honra não enfraqueçam nossa decisão de ser correto. Bons exemplos sempre houveram. Quiça eu e você sejamos assim.



publicado por joseadal às 23:07

Tempo, para que lado se vire lá está ela, uma palavra da moda. O livro que acabei de ler, Fantoches de Deus, termina com esta pergunta: O que você deseja? E a resposta: Tempo.

Este livro fala do planeta em perigo. Nós mesmos poluímos e colocamos a raça humana em risco de extinção. Mas pode ser outra coisa também: o próprio Deus nos induziu a esta situação por não seguirmos suas simples orientações de sobrevivência, os Dez Mandamentos. Nos livro Deus fala:

“Esta menina (uma criança com síndrome de Down), igual a um passarinho implume, jamais me ofenderá, como todos vocês fizeram. Jamais desvirtuará ou destruirá a obra de minhas mãos. Olhem para ela e esta inocente lembrar-lhes-á que Eu Sou Quem Eu Sou, que meus caminhos não são os de vocês e que a menor partícula de poeira no espaço mais escuro não está fora de minhas mãos”.

O personagem central da história, um padre, conversa com o Pai:

“Diga-me uma coisa: o Senhor pode mudar de ideia quanto a nós, os seres humanos? Abraão barganhou com Deus por Sodoma e Gomorra, pedindo: se houver uma centena de homens justos... Não, não há? Então se forem 20... ou 10, o Senhor poderá poupar essas cidades? Jesus, o Senhor mesmo quando esteve conosco ensinou que 'tudo o que pedíssemos nos seria dado', 'que deveríamos bater e clamar e receberíamos'. Então, peço tempo para os justos poderem trabalhar e argumentar mais um bocado com nossos irmãos insensatos. Por favor, seria indigno de seu Poder concertar o mundo passando por sobre um tapete de cadáveres”.

Pedimos TEMPO a Deus, mas não para continuarmos correndo atrás do vento, da vaidade e do egoísmo, mas para salvar nossas vidas e da humanidade. O homem perguntou: Quanto tempo o Senhor nos dará? Deus respondeu: Não muito... mas o suficiente se você começar a dar testemunho agora. E nosso irmão disse: Obrigado, obrigado da parte de todos nós.

Você e eu podíamos começar a falar agora mesmo, avisando, chamando a razão os outros. Vamos?



publicado por joseadal às 02:37
mais sobre mim
Setembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
14

16
17
20

23
24
25
28

30


pesquisar neste blog
 
tags

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO