Terça-feira, 14 de Janeiro de 2014

Todo mundo sabe que quando se empresta um livro é dois V, vai e volta, mas é raro lembrarem de devolve-lo. Assim, senti muito quando no final do ano procurei um livro para ler e não o achei. Mas como estou dando as obras que já li, ontem o encontrei. É um livro precioso. Quando o dei por perdido procurei na internet e, em sua edição de 1936, são raros e custam mais de R$500,00. Mas está aqui em minhas mãos, e com prazer manuseio suas páginas amarelas. É Os Ciganos no Brasil, de José B. d’Oliveira China.

Esse povo me fascina, entre outras coisas, porque eles muito contribuíram para nossa cultura e estão, desde a colonização, na raiz do comportamento malandro do brasileiro. Na p. 6 diz que “eles apareceram pela primeira vez em Paris, em 1427, declaravam-se nobres do Egito – tinham os títulos de príncipe, duque e conde - e se diziam cristãos expulsos de seu país pelos sarracenos. Diziam mais, que passaram por Roma e foram recebidos pelo Papa a quem confessaram seus pecados e receberam a penitência de andar errantes pelo mundo durante sete anos. A cidade cedeu-lhes um grande terreno onde armaram suas tendas. Mas como desde logo começassem a por em prática suas artimanhas, o bispo de Paris os excomungou e expulsou da cidade”. Foram sempre assim. Chegavam com uma ‘conversa de cercar Lourenço’ e logo que conquistavam a confiança faziam negócios em que o cliente sempre saia logrado, quando não o roubavam abertamente. Um registro antigo, citado no livro diz: “Tinham cabelos pretos e crespos, usavam argolas de prata nas orelhas; e as mulheres são feias, porcas e ladras”. Mas não se pode negar que herdamos deles a vida de boemia e o gosto pela dança, música ritmada e cantoria.

- Os ciganos são descendentes dos egípcios, Zé?

Inventaram essa história para enganarem a boa fé, tanto de homens e mulheres comuns como do imperador Sigismundo, da Hungria e até de sua Santidade o Papa. As pesquisas etimológicas e etnológicas indicam que vieram da Índia e as primeiras referências deles na Europa datam de 1417. Vieram para o Brasil logo nas primeiras expedições e ajudaram a formar esse povo Brasileiro, sobre o qual o próprio Deus, disse: “A terra do Brasil é das melhores do mundo, mas o povo que botei nela...!”    



publicado por joseadal às 21:20

“Deus nos fez para sermos felizes com Ele. Se isto não está acontecendo com você e seu normal é viver triste ou deprimido, então, comece a lutar”.

Isto é o que todo mundo diz, aconselha e até exige do seu parente ou amigo desanimado: reaja! Mas a pessoa de temperamento triste ou deprimido não tem força para agir.

Assim, o professor Felipe Aquino, depois daquela frase, diz: “A descoberta do amor que Deus tem por você é a mola propulsora para a vida feliz – do livro A Luta Contra a Depressão (p.27). Parece que é aí mesmo que se instala a tristeza e o desânimo, a falta do amor à Deus.

- Mas como é esse negócio de amor de Deus, Zé?

Ele explica: “Tudo o que existe é parte de um plano, é um projeto de uma inteligência e envolveu muita vontade”. Essa é a prova do amor de Deus, ele teve uma trabalheira enorme para nos botar no mundo. E Aquino mostra o longuíssimo caminho que o Criador e Seu Filho percorreram trabalhando por você e eu: “Você sintetiza no seu ser todo o universo criado. No princípio foi feita a matéria bruta, depois, com o mistério da vida surgiram as plantas, os animais [com os dinossauros neste meio] e o ser humano, você. Há bilhões de anos Deus vem preparando a sua chegada, desde o primeiro átomo de Hidrogênio”. 

 – É Zé, visto dessa forma parece que somos importante mesmo!

Segundo o professor a reação para sair da depressão deve acontecer dentro da gente. A energia para executar alguma ação exterior pode ficar para depois. “É preciso, primeiro, dobrar a arrogância e voltar seu coração para o Pai”.

Mas o professor, fala de outra importância que temos e que pode nos dar força para nos erguermos, cita Paulo, o apóstolo (Efésios 1:14): “Em quem também vós estais, depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação, e, tendo nele também crido, fostes selados com o Espírito Santo da promessa O qual é o penhor da nossa herança, para redenção da possessão adquirida, para louvor da sua glória”.

– Mas como, Zé, a  gente tão pequeno pode contribuir para a glória de Deus?

O plano dEle foi nos fazer a Sua Imagem, daí que temos inteligência, liberdade, vontade e consciência. Isto complica tudo. Você só será bom, isto é, evitará o mal se quiser. Só fará o bem aos outros se tiver força. Só amará a Deus se tiver gratidão. E se a gente for assim, tirando força de onde nem sabemos que temos, só assim acumularemos de honra ao Pai que nos fez assim.



publicado por joseadal às 10:46
mais sobre mim
Janeiro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10

12
13
15
16
17
18

19
20
21
22
24
25

27
28
29
30
31


pesquisar neste blog
 
tags

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO