Segunda-feira, 23 de Fevereiro de 2015

“A política não é mais a arte do possível, mas consiste em escolher entre o desastroso e o inaceitável”. Esta frase é de James K Galbrith, professor de Governabilidade na Universidade do Texas.

james-k-galbraith-1-sized.jpg

Não é exatamente por isto que votamos de novo na Dilma? Sabíamos que "vinha chumbo grosso" e que se era para escolher entre uma situação ruim e outra pior, Dilma estava bem qualificada.

Sem brincadeira, no livro o Fim da Normalidade, James diz: “Esta situação mundial nos colocou frente a este dilema pouco palatável. A normalidade política e econômica está relacionada ao período de crescimento que começou com o fim da 2ª Guerra Mundial e terminou com o aumento brutal do petróleo na década de 1970. Foi a Era de Ouro do Capitalismo”.

Ele combate os economistas que entendem que o sistema financeiro internacional funciona bem e não precisa ser reestruturado e que explicam a crise que já dura 7 anos como o resultado de imperfeições e acidentes no funcionamento do mercado. Ele opõe o dedo na ferida: “As fraudes no sistema financeiro estão destruindo as leis de regulação do mercado. A falta de ética e a ganância também têm culpa. O crescente endividamento do setor privado está por trás da volatilidade da crise global. A pilhagem desenfreada nos cofres públicos e privados criou a crise financeira mostrando um sistema econômico estressado. O que podia consertar a situação seria a volta a um crescimento equilibrado e sustentável  que havia antes dos anos 1970, mas que agora não é mais possível”.

Como exemplo, no mesmo caderno Finanças do jornal Valor de 10/02/2015 diz sobre o banco HSBC: “O banco forneceu meios de evasão de grande quantidade de moedas estrangeiras impossível de serem rastreados, conspirando junto com clientes  para ocultar “contas negras” das autoridades fiscais. Nos EUA o HSBC pagou multa de US$2 bilhões e ficou na difícil posição de poder perder sua licença bancária naquele país”. É isso que James falou, a ganância querendo “dar um jeitinho”.

Então, amigo, a governabilidade de nosso país, como do resto do mundo, começa na casa da gente, ensinando aos filhos a não gastar muito, a não querer tudo que lhe anunciam e a respeitar o que é dos outros. Se for assim só na casa da gente não vai ajudar muito, mas quem sabe o exemplo termina sendo seguido?!



publicado por joseadal às 16:45
mais sobre mim
Fevereiro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20

22
24
25
26
27
28


pesquisar neste blog
 
tags

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO